Conecte-se

Colunas

Mulheres da Vila #2 – Conheça Thayná Nicole, a torcedora que viaja os quatro cantos do país para acompanhar o Peixe

Thayná na final da Libertadores da América - Foto: arquivo pessoal

Ser mulher e gostar de futebol sempre foi um grande tabu e enfrentamos situações desconfortáveis por esse motivo. Mas apesar do machismo e resistimos, seguimos apoiando nosso time “onde e como ele estiver”, dentro e fora do alçapão. Uma dessas mulheres e torcedora assídua é Thayná Nicole. Thayná tem 23 anos, é estudante de engenharia, torcedora do Peixe e frequenta o estádio desde a infância.

“Toda minha família é santista e em 2002 (quando tinha 6 anos) foi a primeira vez que fui ao estádio, no Jayme Cintra (Jundiaí), na partida entre Guarani x Santos. O Santos ganhou de 2 a 1. Já na Vila Belmiro, foi em 2002 também, na partida entre Santos x Botafogo”, contou. Ao todo a torcedora chegou a conhecer seis estados por acompanhar o Santos e coleciona histórias e perrengues das viagens. O primeiro dos perrengues foi em 2019 após a partida entre Cruzeiro e Santos, em Belo Horizonte – o Alvinegro perdeu por 2 a 0.

“A partida estava marcada para às 11h, então peguei o voo às 7h, ia fazer só uma bate volta, veria o jogo, almoçaria e voltaria pra São Paulo. Mas chegando em BH descobri que o horário tinha sido alterado para às 16h e terminaria por volta das 18h. No começo da partida o Gustavo Henrique foi expulso, estávamos perdendo então nem esperei o jogo terminar e fui embora, busquei minha mala que tinha guardado, corri para chegar ao aeroporto e quando cheguei o voo já tinha saído. Então tive que comprar uma passagem para o outro dia, que me custou R$700 fora a diária em um hotel”, disse a torcedora.

 

Thayná no estádio Serra Dourada, em Goiás.


De todas as viagens, o jogo que mais ficou marcada para Thayná, foi recentemente, a partida entre Santos e Palmeiras, na final da Libertadores da América. O Santos tinha sorteado sócios para comparecer ao Maracanã, no entanto, apesar de fazer parte dos requisitos, Thayná não foi escolhida, mas não desistiu de tentar ver a partida.
“Já tinha comprado as passagens e o hotel logo após a partida contra o Boca, fiz o exame PCR na data exigida pela Conmebol e pensei ‘se eu estiver lá e aparecer a oportunidade talvez eu consiga entrar’, tentei a sorte. Então, no dia do jogo, por volta da 13h da tarde, consegui a credencial para ver o Santos rumo à gloria eterna e realizei um sonho apesar do resultado”, disse Thayná.

Como toda mulher, Thayná já foi alvo do machismo por frequentar o estádio e, em uma ocasião, compartilharam uma foto sua nas redes sociais, sem autorização. “Em um clássico entre Santos e São Paulo eu estava na cadeira lateral e tiraram uma foto minha que circulou nos grupos de santistas onde falavam ‘nossa quem é essa gostosa’, termos desse nível pra baixo”.

Nesse dia internacional das mulheres pedimos respeito, para torcer, cantar, pular e termos liberdade de ser o que quisermos, porquê apesar de ser clichê é sempre bom ressaltar que lugar de mulher é onde ela quiser e estaremos lá!

 

Estudante de jornalismo na Universidade Santa Cecília. Nascida no interior mas caiçara de coração, se mudou para viver seu amor pelo Santos de perto.

6 Comentários

6 Comentários

  1. Néia

    9 de março de 2021 às 13:30

    Muito bem Tainá admiro seu força, bjss

  2. Guilherme Mariano

    9 de março de 2021 às 09:18

    Parabéns pela matéria Lívia, a Thayná é realmente maravilhosa!

  3. Júlia

    8 de março de 2021 às 23:50

    um Ícone para todas as mulheres que amam o futebol e qualquer outro tipo de esporte❤

  4. Kaleb

    8 de março de 2021 às 15:47

    Top!! Thayná é um exemplo!! Mulherão! ❤️

  5. Bruna

    8 de março de 2021 às 15:00

    Linda, loira e santista! ❤️

  6. Thayná

    8 de março de 2021 às 14:55

    Obrigada pelo carinho, e por eu poder representar parcela das mulheres que acompanham o Santos onde & como ele estiver!

Deixe uma resposta

Anúncio

Veja Também

Mais em Colunas

%d blogueiros gostam disto: