Conecte-se

Colunas

Mulheres da Vila #4 – Conheça Sônia Roman, a psicóloga dos Craques

Sônia Roman facilmente se destaca como uma mulher de fibra, pulso forte e que acredita firmemente em suas ideias. E conseguiu no mundo do Santos Futebol Clube, um cenário majoritariamente composto por homens, fazer a diferença.

Psicóloga há 40 anos, é referência na psicologia desportiva utilizada no Peixe. Ajudou não só a um, mas diversos garotos que tinham o sonho de ser jogador profissional, e formou vários.

“Passou por mim jogadores como Robinho, Diego, Elano e fiquei até a era do Gabriel Barbosa. Foi uma época de ouro, e eu me insiro nos resultados, até porque se não o fizer, não acredito no trabalho que implementava”, relata.

Sua carreira no clube iniciou na equipe profissional em 2001, pouco tempo depois, foi direcionada pelo diretor Maeda para a base, e foi com os mais jovens que fez história.

Foram 12 anos de trabalho com os Meninos da Vila, nesse período criou a sala de estudos, fundamental para o desenvolvimento da vida pessoal e profissional dos garotos.

“Já fazendo o trabalho eu senti a necessidade de uma sala de estudos para que os meninos pudessem passar o tempo. Levei a ideia ao seu Zito e ele montou junto comigo”.

O objetivo do plano de psicologia era motivar os jogadores, diminuir o nível de ansiedade e mudar os pensamentos disfuncionais. A sala de estudo ajudava em muitos desses quesitos e foi criada para melhorar ainda mais o desempenho dos meninos.

“Assistimos filmes excelentes com o tema esportivo, ensaiávamos entrevistas. Havia uma professora de português e matemática e eu continuava atendendo como psicóloga quando necessário”, conta Sônia.

Mas mesmo com tantos benefícios a psicologia não era bem-vista para alguns treinadores. A psicóloga conta que nunca houve problemas por ser mulher, mas o preconceito com a área que atuava sempre existiu.

Frases como ‘o menino não é doido’, ‘ele não precisa’ e até vergonha de marcar uma consulta, foram reais durante o período em que Sônia atuou no clube.

“Existe uma diferença entre a psicologia clínica e a desportiva. A gente utilizava a psicologia do desempenho, melhoramos a ansiedade, tiramos o desanimo e as tristezas. Limpamos as emoções para que tudo funcione como deveria e que o sistema motor atue da melhor maneira”, explica.

Ela ainda afirma que se o garoto não tiver um psicológico forte ele não desenvolve até o sub-20 ou até categorias maiores. O processo do futebol é estressante e longo, a psicologia está ali para manter o bom nível do jogador.

Sônia mostra que os craques crias da Vila Belmiro, são de fato sim talentosos. Mas são o que são hoje, pelo o que ela gosta de chamar de sinergia: ‘uma energia que vem de todos os departamentos’.

Uma mulher psicóloga especializada em clínica esportiva, que melhorou a vida de muitos e fez outros milhares santistas sorrirem. No fundo, ela realmente está certa em se inserir nos resultados.

“Sabe quando você percebe que os resultados são plantados? Quando você colhe muitos sucessos. Bons resultados são aqueles que acontecem de maneira consecutiva, não dá para ganhar um campeonato e ganhar outro apenas 10 anos depois. Existe o sucesso de acaso e existe o sucesso fabricado com uma energia”, finaliza.

 

Jornalista formada pela Universidade Santa Cecília (Unisanta), caiçara e apaixonada por futebol.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Veja Também

Mais em Colunas