Conecte-se

Colunas

O falso nove: O que é? Onde vive? O que come?

O Falso 9

Todos os dias, em um jogo de futebol, as pessoas ouvem a expressão “falso nove”, e a maioria não sabe o que isso significa. A ideia que se tornou popular entre os europeus enquanto o técnico Pep Guardiola ainda estava no Barcelona se tornou uma tendência no futebol mundial?

Mas realmente a ideia do falso centroavante foi de Pep Guardiola? Não.

A ideia inicial foi do “Velho Lobo”, mais conhecido como Zagallo. O então técnico da seleção brasileira, na histórica Copa do Mundo de 1970, tinha inúmeros craques no time e não pretendia de forma alguma deixar algum deles no banco, criou um esquema tático novo, sem atacante.

Seleção brasileira de 1970:                                                                                                                                              Time-base: Félix; Carlos Alberto Torres; Brito; Piazza e Everaldo; Clodoaldo; Gérson (Paulo César) e Rivellino; Jairzinho, Pelé e Tostão.

Eduardo Gonçalves de Andrade, o Tostão, um jovem de 23 anos na época. Ele nasceu em Lapi, Belo Horizonte. Tostão, na Copa de 70 foi o falso 9 que inspirou o moderno técnico Pep Guardiola.

Tostão atuando na copa de 70.

Entendendo o Falso 9

Para ter um bom exemplo de um falso nove bem sucedido, utilizaremos um algoz bem conhecido pela nação santista, o genial Lionel Messi. O pequeno argentino surgiu no Barcelona jogando pela ponta direita porque a esquerda era do Bruxo Ronaldinho Gaúcho e acentroavância do camaronês Samuel Eto’o.

Com a saída do centroavante e do brilhante ponta brasileiro do clube Catalão, o genial técnico Pep Guardiola pediu para Messi atuar centralizado no ataque ao invés de pelos lados, como se esperava de um jogador baixo e com bastante velocidade. Essa tática, como dito,  surgiu da inspiração em nossa Seleção Brasileira, comanda por Zagallo. Resultado? Criou um gênio, que atua como um centroavante com apenas 1,69m de altura.

Um dos tantos momentos de felicidade vividos entre Guardiola e Messi.

A posição de falso nove não é complicada: ele joga como centroavante mas se movimenta mais do que um homem pesado, sai mais da área para buscar a bola mas sempre atua centralizado e é sempre muito oportunista – quantos gols já não vimos o Messi fazer apenas aproveitando rebote?

O centroavante tradicional tem a função de abrir a capa do Batman, de jogar na maioria das vezes de costas, fazendo a parede, tabelas e depois girando para correr e tentar receber essa bola de um cruzamento, lançamento, passe ou algo do tipo.

Vantagens para um time com um falso 9

Dinâmica, qualidade e principalmente velocidade. O time que tem um jogador com a habilidade e qualidade de fazer essa função pode ser sempre o que mais ataca já que o princípio vai ser sempre o domínio e a posse de bola. Utilizar o falso 9 ajuda o time a partir pra cima e se movimentar,  o que faz com que os zagueiros do time adversário se percam em vários momentos do jogo contra esse estilo.

O falso nove funciona em qualquer time?

Não. Aqui no Brasil, por exemplo, é muito difícil conseguir ter a qualidade suficiente para que um jogador atue como falso 9, porque estamos muito atrás da ideia tática e da técnica dos europeus. Essa história de que o futebol brasileiro é o mais ousado pode ainda existir em pouquíssimos casos (Neymar, por exemplo). A verdade é que o  Velho continente está em um nível que não pode ser comparado.

O falso nove no Santos

Na baixada santista tivemos ótimos e horríveis exemplos de jogadores atuando como falso nove. Temos exemplos muito recentes. O “melhor” exemplo, se assim podemos dizer, foi o do querido Jean Mota que teve uma ótima fase durante o Paulistão de 2019 na mão do nosso ex-técnico calvo, anão e argentino, chegando a ser artilheiro e craque da competição estadual. Mas como a alegria de santista é passageira, a boa fase passou, os técnicos mudaram e as suas funções também, e Jean “Meiota” não voltou a atuar como falso nove e não apresentou um rendimento satisfatório para o Santos. Na partida do último domingo diante do Santo André no Paulistão, Jean atuou como falso nove e… adivinhem? Gol do meia (falso nove). Será que ele voltará a brilhar na função com o professor Holan? Veremos.

A lenda Arthur Gomes e Jean Mito representando o Peixe na libertadores.

E como nem tudo são flores, temos o exemplo da lenda Arthur Gomes que já atuou como falso ponta, falso meia e agora incrivelmente como falso nove. Marcelo Fernandes, parou e pensou: “será que de falso nove funciona?”. A resposta para o interino “papador de pastel” foi não, como todos já imaginavam.

Que agora com o Argentino Ariel Holan não tenhamos que ver o show de horrores que é Arthur Gomes de falso jogador.

Esse texto mostra apenas a visão de um torcedor (eu) sobre o falso nove, seus mitos, verdades e a desgraça que é ver Arthur Gomes atuando pelo Santos.

Santista, estudante, integrante da ASSOPHIS e apaixonado por futebol.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Veja Também

Mais em Colunas