Conecte-se

Política

Contador analisa a situação financeira do Santos dos últimos 5 anos

Na noite da última segunda feira (19), o Conselho Deliberativo do clube reprovou as contas do exercício de 2020. Com isso, a gestão passada teve suas contas reprovadas nos três anos de mandato. Examinando os números do balanço o que chama a atenção é o aumento dos valores das dívidas, sendo que apenas no último ano a dívida total cresceu R$ 108.493.000,00, pouco mais de 9 milhões por mês. Somente a dívida com o Krasnodar pela aquisição do jogador Christian Cueva é de R$ 36 milhões, outros fatores que contribuíram para o aumento das dívidas foram as Obrigações trabalhistas e Obrigações tributárias.

O Santos precisa pensar de acordo com suas possibilidades. Gastar menos, ser mais austero. Ou em algum momento não dará tempo de salvar os pratos.

Veja abaixo a evolução das dívidas nos últimos 5 anos:

Análise das dívidas a Curto Prazo dos últimos 5 anos:

RECEITAS

Em relação às receitas operacionais bruta realizadas no ano de 2020, sem mensurar as receitas com repasses dos direitos federativos foi de R$ 155.997.000,00 com uma redução de 15,23% em relação ao ano anterior. A redução da atividade econômica decorrente da pandemia impactou indiscriminadamente os diferentes agentes da indústria esportiva, ocasionando redução no valor total da principal fonte de receitas provenientes das Cotas de TV.

Veja abaixo as receitas operacionais dos últimos 5 anos.

CUSTO E DESPESA OPERACIONAL

O custo operacional teve um aumento significativo em relação ao ano anterior, totalizando o valor de R$ 312.257.000,00 sendo que em 2019 era de R$ 274.289.000,00 os fatores que elevaram os custos foram a provisão para perdas de direitos econômicos em R$ 36 milhões e multa ao Barcelona referente o atleta Gabriel Barbosa no valor de R$ 18,5 milhões.

Os gastos com salários e encargos socais com departamento de esporte contanto os direitos de imagem tiveram uma redução de 16,70%, totalizando o custo anual de R$ 144.615.000,00, sendo que, no ano de 2019, o valor era de R$ 173.609.000,00.

Os custos com salários e serviços profissionais dos demais departamentos teve um aumento de 8,75% em relação ao ano anterior. Em 2020, os gastos totais entre salários e encargos foi de R$ 20.898.000.00 e, em 2019, era de R$ 19.215.000,00.

As despesas administrativas gerais em 2020 foram de R$ 21.585.000,00, enquanto em 2019 o total foi de R$ 6.548.000,00.

DESPESAS FINANCEIRAS E JUROS

Apesar da redução de gastos financeiros e juros em relação à gestão anterior, o Santos continua com um valor elevado de despesas financeiras, isso ocorre pela falta de caixa e necessidade de buscar recursos com terceiros, além de ter uma dívida tributária alta, que acarreta despesas com juros e correção monetária. Apenas no ano de 2020, o clube teve um gasto financeiro total de R$ 11.968.000,00.

RESULTADOS

No ano de 2020, o resultado financeiro do clube foi de um déficit no valor de R$ 119.836.000,00, acumulando assim, na Gestão do triênio 2018/2020, um Déficit Acumulado no valor de R$ 173.721.000,00. Somando aos resultados dos anos anteriores, fica em seu Patrimônio Liquido o valor de R$ 436.177.000,00 negativo.

 

CONCLUSÃO

O Santos precisa urgente reduzir seus custos e alavancar suas receitas, para que ocorra um equilíbrio nas suas finanças, não recorra a empréstimos e tenha um grande gasto financeiros com juros.

Texto escrito por Carlos Renato Goulart, Contador e Sócio do Santos Futebol Clube.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Veja Também

Mais em Política