Conecte-se

Colunas

Entenda como funciona o benefício por incapacidade temporária para os jogadores

No Brasil e no mundo, jogadores de futebol são considerados ‘estrelas’. Entretanto, são trabalhadores, possuem carteira assinada e seguem leis do regime da CLT.

Normalmente a profissão é relacionada com ganhar muito dinheiro e de fato essa é a realidade de bastante jogadores, mas outra grande parte atua no anonimato e o salário não contém tantos zeros.

E para quem vive nesse cenário, os benefícios são muito importantes, como o de incapacidade temporária.

O futebol é esporte de contato e as vezes acontece do jogador ficar lesionado. Atualmente Sandry, Jobson e Raniel desfalcam o Santos por esse motivo. Porém, os três jogadores dispõem de um departamento médico que está totalmente focado na recuperação dos atletas e o afastamento não os prejudicam financeiramente.

Isso faz os três não precisarem do benefício por incapacidade temporária, que é dado quando o trabalhador está temporariamente incapaz de atuar em seu serviço, nesse caso, o jogador que não pode entrar em campo.

O advogado especialista em direito previdenciário, Gabriel Falaschi, do escritório Canella & Falaschi Advogados, explica que para o jogador ser beneficiário é necessário estar registrado ou contribuindo no INSS e estar afastado por mais de 15 dias.

“Para dar entrada ao benefício, o jogador deve mostrar o atestado junto com outros documentos pessoais ao INSS e passar por uma perícia para o órgão comprove a incapacidade de trabalhar”, esclarece Gabriel.

Caso o jogador se lesione durante o trabalho ele é isentado da obrigatoriedade de 12 contribuições. Não é necessário que seja dentro do clube ou em partidas oficiais, toda atividade em que o atleta estiver à disposição do empregador é válida.

Para o auxílio ser retirado é necessário também uma pericia que prove que o atleta já está capaz de cumprir as atividades. Não há um limite de tempo para que o benefício seja utilizado.

“Não é algo comum no futebol por causa do valor baixo. Mais jogadores que estão começando utilizam o recurso”, finaliza Falaschi.

O mundo do futebol é um retrato da realidade do Brasil e a desigualdade não poderia estar de fora. Por isso, falar de auxílio do INSS para jogadores parece não fazer sentido, mas muitos ainda vivem de um salário consideravelmente baixo e seguem em frente por causa do sonho.

Jornalista formada pela Universidade Santa Cecília (Unisanta), caiçara e apaixonada por futebol.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Veja Também

Mais em Colunas