Conecte-se

Bastidores

Esmeraldo Tarquínio recusou convite para presidir a CIS

Presidente do Conselho Deliberativo de 2000 a 2001, Esmeraldo Soares Tarquínio de Campos Neto recusou o convite do atual presidente do egrégio, Celso Jatene, para assumir a presidência da Comissão de Inquérito e Sindicância (CIS). Tarquínio estudou o convite e por motivos de ordem particular resolveu não aceitar.

A comissão está vaga desde a renúncia de Michel Elias Zamari e de todos os membros da CIS (o relator Gustavo Bittencourt Amorim, o conselheiro efetivo Ademir Corrêa, e os membros Gilberto Carrega e Ricardo Soares Cretella). A decisão de Zamari e seus pares foi tomada após o requerimento de conselheiros pedindo a reabertura de processos que foram arquivados pela CIS e comunicados na reunião do Conselho do último dia 10. Porém, antes de renunciar, a CIS respondeu ao requerimento dos conselheiros responsabilizando a Mesa do Conselho pelo arquivamento e fundamentando a decisão.

Um dos motivos da recusa de Tarquínio são suas ligações estreitas com Odílio Rodrigues Filho, o principal envolvido na polêmica do processo arquivado pela CIS anterior. Odílio foi vice-presidente do Conselho quando Tarquínio presidiu o egrégio. Teria sido seu sucessor, mas o grupo de Marcelo Teixeira em consenso decidiu eleger José da Costa Teixeira, o Teixeirão, que coordenou a campanha de reeleição de Teixeira em 2001. Quando em 2005 teria a renovação da presidência do Conselho, aconteceu o racha entre Odílio e outros membros da Rumo Certo com Marcelo Teixeira. Odílio entendia que deveria ser o candidato do grupo, mas Teixeira e Teixeirão queriam outro presidente, o conselheiro Osmar Carvalho. Odílio lançou candidatura com apoio de conselheiros ligados a Teixeira como Rodrigo Lyra (então Presidente da OAB Santos), Luis Simões Polaco, Orlando Rollo, Celso Leite e outros. Esmeraldo Tarquínio naquela oportunidade coordenou a candidatura em uma das eleições mais disputadas pela Mesa, superada na diferença de votos e disputa apertada apenas pela vitória de Marcelo Teixeira sobre Otávio Adegas em 2018. Mas Odílio perdeu a eleição em 2005 para Florival Barletta. Odílio também é padrinho de casamento de Esmeraldo.

Quem é Esmeraldo?

Esmeraldo Tarquínio é advogado, radialista e coach. No Santos, é Conselheiro Nato e membro do Conselho Consultivo. Integra o Conselho Deliberativo do Santos há mais de 30 anos. Foi Assessor da Presidência na gestão de Marcelo Teixeira de 2002 a 2003 sendo responsável pela criação das Escolinhas Meninos da Vila e pela parceria com o Jabaquara que fez o Leão da Caneleira vencer a Segunda Divisão do Paulista em 2002, foi membro da Mesa na gestão de Florival Barletta em 1997 e 1998, e autor de um dos pedidos de impeachment do ex-presidente José Carlos Peres rejeitado pelo quadro associativo em setembro de 2018.

Foi pré-candidato a Presidente do Santos FC em 2020, tendo como vice o ex-goleiro Fábio Costa. Porém, não obteve êxito em formar uma chapa com 250 associados.

Fora do Santos, foi vice-prefeito de Santos de 1985 a 1988, presidente do Centro de Excelência Portuária de Santos, e ouvidor do Porto de Santos.

Seu pai, Esmeraldo Soares Tarquínio de Campos filho foi presidente do Conselho Deliberativo do Santos de 1978 a 1980 e prefeito cassado da Cidade pela Ditadura Militar.

1 Comentário

1 Comentário

  1. Carlos Alberto Valente

    28 de junho de 2021 às 11:04

    De repente ele queria ser presidente do Santos, então não teria tempo para isso também., Agora estás com medo por ter que prestar acusações da panelinha dele… Hipócrita……

Deixe uma resposta

Anúncio

Veja Também

Mais em Bastidores

%d blogueiros gostam disto: